Posts Tagged ‘Chico Buarque’

THE PLANCTONS 10-10-09

setembro 30, 2009

Vai ser no sábado dia 10 o show mais esperado do ano, segundo o New York Times, a Rolling Stone e o britânico NME.

“É pura divesão. Você não para de dançar. Nunca senti tanta alegria em um show, e olha que estava sóbrio, porém ébrio de música rock” – comentou Jean-Jacques Gerard Baptist Taunay, no último show em Arles, França.

“Realmente eu não sei como eles conseguem aguentar essa turnê mundial. Já falei com Betânia, não perco a apresentação na Bahia de jeito nenhum – disse Caetano – ainda mais aquele baixista, o Ben, que tem o pé lourinho, aff”!!!

“Na verdade, eu comecei a fazer listas de música por causa do Planctons. O repertório deles é imbatível. Não há como negar!” – disse Paulo Pan, Anarkaos.

“Minhas primeiras fotos profissionais foram tiradas do Planctons. Por isso me apaixonei pelo preto e branco!” – falou Anton Corbijn.

“Joga pedra na Jeni, eu vou é ver o Planctons na Tijuca junto com o Tremendão Erasmo”! Chico Buarque.

“Quando ouvi Pretty Woman, música de Roy Orbison e riff matador de Quirino, pensei: ‘vou formar uma banda de heavy metal’ – exclamou Drixs, Anarkaos – esse foi o primeiro riff heavy!!”

Então não perca o grande show em parceria com o Tucuruí, no Novo Paladar!!!

kaoz

ROSA E HOLLANDA

julho 4, 2009

Hipóteses

“Não sei se Guimarães Rosa é melhor que João Gilberto. Eu não sei.” Disse Chico Buarque de Hollanda do Brasil na Flip de 2009. A pergunta é: por que escolheu Guimarães para fazer esse comentário?

Comentar sobre Literatura é andar sobre um terreno arenoso. Não se deve ser atrevido, pois reina a subjetividade. Buarque causou expressões de espanto ao se expressar com a frase acima. Posteriormente, se se sentir sob pressão, pode muito bem dizer que poderia ser outro escritor, foi só um exemplo. Claro que ele quis polemizar, pois é evidente que Rosa tem sido muito comentado desde os 50 anos de “Grande Sertão: Veredas” em 2006. Coincidentemente, João Gilberto cancelou shows na Espanha recentemente por motivos de saúde.

Escritor e compositor de sucesso, Chico, nascido no Rio de Janeiro em 1944, conseguiu o que poucos conseguem: ser uma unanimidade. Mérito dele ao ser habilidoso com as palavras faladas e cantadas. Suas letras são estudadas até hoje nas escolas, servem de exemplos e comparações para estudos literários.

Na Flip, na mesma circunstância, disse que gosta de escrever sobre o desconhecido, foi assim com “Budapeste”. Não conhecia a capital. Agora, com “Leite Derramado”, comentou que fez o mesmo. Escreveu sobre um tempo que não viveu, 1929. Como faz isso não se sabe, mas os seres humanos e os lugares são parecidos no mundo, universalismo, algo característico nos livros de Guimarães. E a cultura europeia é assimilada, inclusive por brasileiros da elite.

A que ponto se deve chegar com isso? Compositor da MPB, inclusive, deve conhecer a fundo a obra de João Gilberto. Como escritor, não sei se conhece profundamente a obra de Rosa. Há liberdade subjetiva de gostar ou não de um escritor. Pode haver uma disparidade cultural aí.

Será isso um exagero? A questão é que os espantados ficam procurando respostas e fazendo hipóteses pelo que foi dito.

CHICO

guimaraes